Estudo afirma que nascimentos por cesárea estão tendo efeitos na evolução humana

925

A evolução normalmente é pensada como um processo lento, acontecendo ao longo de milênios – mas nem sempre é esse o caso. Um novo estudo sugere que o sucesso dos nascimentos por cesárea na segunda metade do século 20 poderia influenciar a evolução das populações humanas. Desde a Segunda Guerra Mundial, os nascimentos por cesárea (também conhecidos como seções-C) estão em alta graças aos avanços cirúrgicos, tornando-os mais seguros e mais baratos.

Uma vez considerada uma opção de emergência, esse não é mais o caso. Hoje em dia, cerca de um quarto das novas mães no Reino Unido e cerca de um terço das mães nos Estados Unidos dão à luz através de cesárea, relata Peter Walker ao site The Independent. Mas agora um grupo de pesquisadores da Universidade de Viena acredita que o procedimento poderia começar a alterar o curso da evolução humana.

Seu estudo, publicado recentemente no Procedimento da Academia Natural de Ciências, sugere que uma razão cada vez mais comum pelas mulheres se submeterem a seções-C é devido a uma pelve muito estreita. E, de acordo com o estudo, o número de bebês muito grandes chegam 20 por cento desde que cesáreas começaram.

Esses “partos obstruídos” são uma das muitas complicações que esta cirurgia foi projetada para ajudar, mas isso pode significar que os genes de bebês maiores estão sendo transmitidos, diz o biólogo teórico e autor principal do estudo, Philipp Mitteroecker, a Helen Briggs da BBC. No passado, no entanto, a condição muitas vezes se mostrou mortal, o que significa que esses genes não foram transmitidos pelas gerações.

“Sem intervenção médica moderna, tais problemas são muitas vezes letais e isso é, de uma perspectiva evolutiva, seleção”, diz Mitteroecker a Briggs. “As mulheres com uma pelve muito estreita não teriam sobrevivido a partos há 100 anos. Agora elas conseguem e transmitem seus genes codificando uma pelve estreita para suas filhas”.

O aumento que a equipe previu é pequeno – de cerca de três por cento para aproximadamente 3.6 hoje. E há muitos outros fatores que podem complicar essas conclusões. Muitas mulheres estão tendo bebês mais tarde na vida, por exemplo, o que significa que estão dando à luz quando seus corpos são um pouco menos flexíveis. O peso e outros problemas de saúde também podem desempenhar um papel importante se um médico recomenda uma cesárea.

“Eu acho que o que é importante adicionarmos na [questão de] evolução é que coisas como diabetes são muito mais comuns em uma idade mais jovem, então nós vemos muito mais mulheres em idade reprodutiva que têm diabetes”, diz Daghni Rajasingam, um consultor obstetra e um porta-voz da Faculdade Real de Obstetras a Briggs. “Isso tem consequências sobre se eles podem ou não precisar de uma cesariana”.