Agricultor do Paraná, constrói o ‘Helifusca’

0
198
COMPARTILHE AGORA!!

O sonho de um morador de Virmond, no interior do Parana, o agricultor Paulo Sergio Palinski de 48 anos, era ser proprietário de um helicóptero, mas a vida e as circunstâncias levaram Paulo a se dedicar a família e cuidar da lavoura, mas nunca deixou seu sonho de lado.

Foi quando de uma réplica de brinquedo comprado em uma loja e sentado no galpão de sua casa começou a ganhar idéias, de um fusca velho abandonado, Paulo começou a moldar a cabine do Fusca em formato de um helicóptero

Foram aproximadamente 4 meses de soldas, parafusos, peças e muito trabalho para chegar na Obra de Arte, que se encontra exposta em frente a sua residência e carinhosamente batizado de ”Helifusca”.

Mas historias como essa não param por ai, no interior do Paraná

Padre do PR gasta R$ 30 mil e leva 19 anos para construir aeronave sozinho

O padre Albino Dziadzio, de 70 anos, usou o pátio da igreja Nossa Senhora do Monte Claro, em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, para realizar um sonho antigo nesta quarta-feira (6). Após quase 20 anos de trabalho e de gastar cerca de R$ 30 mil, ele exibiu a Borboleta Branca II, aeronave que construiu sozinho e que já levantou voo, para dezenas de curiosos.s

O avião começou a ser construído em 1996,  depois de o Borboleta Branca I falhar. O padre ainda morava em Guarapuava, na região central do estado, e, mesmo transferido para Ponta Grossa, não deixou a nova tentativa para trás. Albino levou-a junto, de caminhão, para os Campos Gerais e fez os últimos ajustes. “Fui fazendo aos pouquinhos, sem pressa, o que levou anos e anos”, conta.

Pronta há menos de dois anos, a Borboleta Branca II mede 6 metros de comprimento, pesa mais de meia tonelada e tem um motor de 95 cavalos. A aeronave foi erguida com materiais básicos, como alumínio, madeira, aço e parafusos simples. Albino relata que recebeu ajuda apenas para pintar e para organizar a parte elétrica do motor.

“Fiz quase tudo sozinho, foi preciso um grande esforço mental. Deus queria que eu fizesse”, explica. No avião finalizado, o padre fez questão de escrever “Animai-vos! Cristo virá”. “Ficaria estranho um padre construir uma aeronave e ela não ter nenhum vínculo com a religião. Então, achei uma maneira de espalhar uma mensagem de fé a todos”, acredita.

Entretanto, pouco tempo após ser finalizada, Albino não conseguiu fazer a aeronave decolar. Foi, então, que pilotos da região ficaram sabendo da história e se ofereceram para resolver o problema. Algumas semanas de testes depois, a Borboleta Branca II atingiu 2,5 metros de altura e percorreu 20 quilômetros de distância.

As tentativas de ir adiante precisaram ser interrompidas por questões de segurança. Apesar disso, Albino garante que ficou feliz com a conquista. “É uma vitória muito boa, a realização de um sonho. E a gente vai continuar espalhando a mensagem de fé nem que seja do chão mesmo”, brinca.

Até ano passado, o avião ficava guardado no Aeroporto Sant’Ana, mas, devido às mudanças pelas quais o local passa, ficaria muito caro mantê-lo por lá: cerca de R$ 400 por mês. Sendo assim, por enquanto, a aeronave Borboleta Branca II segue guardada no pátio da igreja, “exaltando a importância da fé”, como diz Albino.

Também outros relatos de outros paranaense que constuiram aeronaves em suas casas, como exemplo de um morador da Cidade de Reserva , um homem que construiu uma aeronave com resto de lataria automobilistas.. a aeronave faz pequenos voos locais. …

COMPARTILHE AGORA!!